terça-feira, 29 de junho de 2010

Nosso poema


Nosso poema

Por Carolina Morais e vocês

Chuva que volta para o céu
mansa, menina, em cima de mim
E eu ali, no infinito
Perdida, catando meus pensamentos
soltos, doidos, desconexos  
Esperei...
.
.
.
(nos comentários, continuem os meus versos, por favor. Quero que sejam nossos versos! O resultado aparecerá na próxima postagem)

8 comentários:

A.S. disse...

(***)
Esperei
constrangida
o traçado da chuva
esperando o estio,
dispersando os meus sonhos
pelas planicies delicadas
como lebre enlouquecida...

.
.
.
Pois... que sejam os nossos versos. Basta continuar!!!

Beijos
AL

Lara Amaral disse...

O que de mim se esvaía
evaporava facilmente
me vi lá cinzenta
condensada no alto


Sinceramente, seus versos estão tão lindos, nem sabia o que escrever.

Beijos, flor.

Sil.. disse...

Esperei..
O que de mim saia,
o que de mim explodia,
No infinito que me sorvia..
Que de mim, me achava vazia.
Mas que mesmo assim,
conservaria...


Ahhh Carollll, covardiaaaaaa escrever tão lindoooo como vc rs.

Tá lindaaaaaaaaaaaaaaa na foto minha flor.

Te gosto tantooooooooo!

Um abração!!!!

Pérola disse...

Gotas na minha pele suavisando a textura do meu prazer rs.
Gostou?
Amada,eu sou péssima nisso rs.
Beijokas.

Patrícia Gonçalves disse...

Esperei...
como quem espera o tempo
suave, sem pressa
olhando a chuva triste
lavar meu lamento
as gotas que caem
sou eu que me escapo
e me desfaço
em palavras ao vento

P.S - Adorei a brincadeira, bjs

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

... esperei o amor aconchegar em mim.

=]

Quer dizer que gostou da cantiga?ahahaha. Fiquei encantada pela melodia.

Beijo imenso, menina linda.]

Rebeca

-

Sil.. disse...

Carol, você é uma lindaaaaaaaaaaaa!

Eu te adorooooo um absurdo, sabia?!

Gracias a la vida que me há dado tanto!

Amiga especial, necessária na minha vida!

Um abraço do tamanhão desse seu coração!!

Márcio Vandré disse...

E o amor, singelo. Por este motivo, mais belo,
pousou em meu nariz.
E de repente, nem chuva. Nem orvalho.
Tudo era imaginário.
Quero a realidade trovejada pelo porvir...