quinta-feira, 17 de junho de 2010

Tarde no céu

A moça 
que caminhava sobre as nuvens
respirou 
um pouco do ar gelado 
do céu,
tomou 
um gole 
da última gota 
da chuva que chovia no paraíso
e adormeceu 
sob o som das harpas 
dos anjos caídos 
no infinito.

7 comentários:

Sil.. disse...

Carol, minha queridaaaaaaaaa!!

Ahhh, voce deixa a gente anestesiada com essas coisas que escreve.
Eu sempre digo: Coisas lindas, só saem das almas das pessoas lindas.
Das que tem leveza diante da vida!
Eu tenho o maior orgulho em ser sua amiga.
Admiradora.
Voce é especial minha amiga!
E nem se preocupe com correria (Sei bemmm o que é isso rs), porque lugar de amigo é sempre no coração.
Assim voce esta!!

Grande abraço flor!!
Adorooooooo-te!!!!

Lara Amaral disse...

Quem não gostaria de sê-la?

Lindo, Carol.

Beijos.

Sarah Slowaska disse...

A gente levita lendo você, querida! Que coisa mais linda! Que vontade de tragar os teus versos!

Beijos!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

é......trata de levantar minha filha....
fada não é anjo, muito menos caída.

Márcio Vandré disse...

Gotas de chuva me lembram infância.
Doce tempo que não é só lembrança.
Posso ser criança a hora que eu quiser. :)
Um beijo.

Patrícia Gonçalves disse...

Lindo poema moça! Com certeza esse gole é desses que vertemos ao santos, reservados aos escolhidos.

Beijo grande!

Carol Morais disse...

Sil: então juntemos minhas palavras e suas aspas. Flutuaremos alto e mais alto ainda! Um beijo!

Lara: quem? também acho que todos, no fundo, queremos.

Sarah: Traga tudo. Como quiser. Um beijo!

Wal: ainda bem que tenho você pra me trazer de volta a essa realidade bendita. rs

Márcio: que bom você aqui. Sempre.

Patrícia: quero muitos goles. MUITOS! Beijos