terça-feira, 2 de julho de 2019

A incrível geração que trata o elogio como biscoito

Ultimamente, cresce o incentivo para que nós demonstremos os nossos sentimentos. Compartilhar o que sentimos exige um nível de organização mental e de fortaleza emocional altíssimos. Falar "não" é muito difícil, elogiar o outro também.
Eu aprendi que, um elogio, quando sincero, pode mudar não somente o dia de quem elogia, mas o de quem é elogiado. Deus me livre morrer sem ter dito tudo o que eu gostaria.

Cookie Monster Inspired is a painting by Kay Schleusner
which was uploaded on January 13th, 2016.
Há um limite do que é delicadeza e do que é indelicadeza. Aprendi que, se você fizer um comentário a alguém sobre algo que não pode ser contornado em cinco minutos, naquele momento, é melhor guardar o comentário para você mesmo(a). Não gostou do novo corte de cabelo do seu colega de trabalho? -Guarde para você! É simplesmente cruel e presunçosa demais a ideia de que a sua opinião pode mudar  forma como o seu colega se enxerga. Se a pessoa engordou, emagreceu ou está usando uma roupa que, para você, não é bonita, guarde esse comentário. Ele servirá muito bem dentro de você, afinal, ninguém se importa como a forma que você acha que o mundo deveria girar. Um batom no dente, uma mosca presa no cabelo do outro, a gravata que não está com o nó bacana, pode falar. Tudo isso pode ser ajeitado em cinco minutos, e você contribui com o engradecimento do outro.

O mais incrível da geração que trata o elogio como biscoito é, de fato, o que mais me incomoda. Elogiar é bom. O elogio demonstra sua gratidão, sua humildade e sua pequenez frente ao outro. Uma pessoa trata você com carinho? -Elogie! Uma pessoa faz um trabalho fantástico? - Elogie. O elogio salva dias e pessoas inteirinhas. Quando alguém precede um elogio dizendo "vou dar esse biscoito", numa intenção falha de dizer "vou elogiar e levantar seu ego", desmerece toda a magia que um elogio pode fazer por uma pessoa. O elogio é incentivo, é ação afirmativa, é feedback! Não trate o seu elogio como um biscoito a ser dado a um cachorro. Essa visão behaviorista é cruel demais em tempos em que dizer que o outro é bom em algo é tarefa suficientemente árdua para qualquer um
.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Não se culpe

Another Red Dress, Jennifer Beaudet.
Não se culpe por não ser amada. Nem todos conseguem enxergar a beleza de estar em sua companhia. Nem todos conseguem sentir a alegria das tuas palavras e o conforto do teu abraço. Não há uma regra para se gostar de alguém. A afinidade tem suas raízes em uma complexidade quase inatingível. É impossível ser amada por todos. Assim como é impossível que ninguém tenha conhecido o teu sorriso e tenha se sentido mais feliz por isso. É impossível que o universo te empurre apenas em direção a pessoas sem um mínimo de empatia, sem que haja alguém que valha a pena no final. Tenha paciência, alegre-se com a dádiva da presença de pessoas que você ama, sem esperar que elas sintam o mesmo por você. A gente só oferece aquilo que conhece bem e a gente só dá aquilo que tem de sobra.


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Fragmentos

         

Saltimbanque, de Paul Ruiz.
http://www.paulwruiz.com/selected-paintings/2008-saltimbanque
          Cansar é humano. Admitir que cansou é mais humano ainda. Às vezes, parece assustador admitir que a gente já está cansado. Às vezes, a vida da gente, do nosso ponto de vista peculiar, pessimista e psicótico, congela. Parece que nós não saímos do lugar, estagnamos em uma fase mal-definida e sombria. Mas, grandes mudanças são silenciosas. A terra gira em torno do sol e mal percebemos isso. Ela gira em torno dela mesma e também não conseguimos perceber. Tudo o que vimos são noites que se tornam dias e dias que se tornam noites. E,assim, reduzimos a mecânica de nossa vida a algo efêmero demais para ser mensurado. Sentimos os golpes de completa pequenez que atingem nosso ego de vez em quando. 
          Estamos cansados. Na realidade, cansamos de tentar, mas sempre tentamos até nos cansarmos. Fica difícil saber até que ponto aguentamos, pois, a cada nova tentativa, ficamos mais fortes, mais resistentes. Demoramos mais tempo para que o cansaço tome-nos por completo.
          Talvez o sentido da vida seja tomar fragmentos de pequenos goles de coragem repletos de fôlego. A cada gole, uma nova chance, a cada nova chance, uma visão menos cansada de nós mesmos. A gente cansa, de verdade. O cansaço é uma desistência provisória livre de julgamentos. Cansar é sempre melhor do que desistir.


Carolina Morais


         

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

50 coisas que aprendi ou constatei em 2016


1) Musculação é essencial para quem corre;
2) Amigdalite é MUITO, mas MUITO ruim;
3) Pior do que alguém te invejar, é você achar bom que esse sentimento seja despertado em alguém!
4) Você pode cortar relações com pessoas ruins!
5) Amo correr (já havia constatado isso desde 2014);
6) Amigos de verdade conversam com você e mantém proximidade, mesmo estando longe;
7) Algumas pessoas são tão vazias que nos preenchem com o que lhes resta: negatividade (sabe aquelas pessoas que te deixam mais pesada? Então...)
8) Gilmore Girls ficou melhor agora que eu resolvi assistir de novo, depois de velha;
9) Ser tia é divino;
10) Dá para ser feliz sozinho;
11) Mas, a gente pode ser muito mais feliz com alguém perto da gente;
12) O vinagre pode ser usado para lavar a máquina de lavar roupas;
13) O show do Coldplay é tudo aquilo que eu imaginava;
14) Nem tudo que reluz é ouro;
15) As pessoas entram em nossas vidas por algum motivo;
16) As pessoas saem de nossas vidas por algum motivo também;
17) Pilates é simplesmente maravilhoso;
18) Gosto de dormir de rede;
19) Fazer doutorado é MUITO bom;
20) É preciso ter paciência para aceitar as coisas que não dependem de você;
21) A morte em si não é ruim, mas o vazio que ela deixa é enorme para as pessoas;
22) As pessoas que mais exigem de você são aquelas que enxergam, em você, um grande potencial;
23) Almoçar é necessário;
24) Se uma pessoa não quer ajuda, não adianta querer ajudá-la;
25) Óleo de banana tira arranhões superficiais do carro;
26) Posso assistir os filmes da Disney mil vezes que não enjoo;
27) “Crime e Castigo” é melhor que “Os irmãos Karamazov” (Dostoiévski);
28) Ser orientadora dá medo pela responsabilidade, mas é muito gratificante;
29) Netflix faz de nós seres antissociais;
30) Livros também...
31) Tatuagem não dói horrores;
32) O Uruguai é um país lindo;
33) Antibióticos acabam comigo;
34) Ninguém conhece ninguém de verdade;
35) Continuo me surpreendendo com a quantidade de menina idiotizada nesse mundo (bobas, fúteis e rasas...)
36) Tem gente que chega na hora certa...
37) Amar alguém é um sentimento diferente de tudo o que eu já havia sentido...
38) A maturidade conta dentro do amor;
39) Odeio azeitonas, de verdade;
40) Pizza de pepperoni é a melhor!
41) Gosto mais de rock do que de pop;
42) Não preciso ter raiva de pessoas vazias...preciso ter solidariedade com elas!
43) Eu me arrependi um pouquinho de ter cortado o cabelo no começo...
44) Depois passou o arrependimento e eu adoro meu cabelo! haha
45) Não preciso de muitas roupas ou sapatos...
46) Cinema sempre...todos os anos! Haha
47) Disney não estragou star wars! Ficou massa e garantiu mais 3 episódios pra gente
48) Falar palavrão, muitas vezes, é libertador!
49) Odeio suco de caixa;
50) La creme é um dos melhores chocolates brasileiros que já comi!

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Estado

Estar sozinho não é estar em total isolamento da alma. Estar sozinho é estar acompanhado de você mesmo. É saber que você tem muito para se conhecer, que é necessário se perder para se encontrar. Ninguém gosta de ficar sozinho. Ninguém. O prazer em se estar só é, na realidade, o prazer em se estar sozinho momentaneamente. É saber que podemos subir os muros por alguns instantes e ouvir as vozes que gritam dentro de nós mesmos. É saber conversar com elas, até que se acalmem e durmam novamente. Mais do que saber do que gostamos, é saber do que não gostamos. É saber que nada é perfeito e que buscar a completude é inútil e cansativo.

Estar sozinho não é estar em estado contemplativo da tristeza. Não é depressivo, não é melancólico. Estar sozinho é saber que você dá passos no ritmo que você achar mais conveniente. É saber que as duas pernas são suas e que as pegadas deixadas pelo caminho serão reflexo de suas escolhas.

Estar sozinho não é estar em desespero. Não é querer alguém. Não é a busca por algo que te falta, pois, estar sozinho não é estar sem algo. Estar sozinho não é estar metade, é estar inteiro. Ninguém pode nos completar, ao contrário do que se pensa,o que há, na realidade, é uma troca. Almas que se amam não se completam, elas estabelecem entre si uma relação mútua, uma simbiose de tudo o que somos e tudo o que buscamos ser.

Estar sozinho é estar bem, ou estar mal, ou estar em um estado que não sabemos muito bem qual seja. É estar a gente. É ser o ser que somos verdadeiramente. É responder perguntas que nós nunca havíamos nos feito. É um estado de doação total a, ninguém menos, do que nós mesmos.

Estou sozinha.





segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Como anda a sua vida?

O que é viver para você? Como anda a sua vida?
São essas perguntas que tenho feito a mim mesma toda vez que paro e observo um pouco a vida de amigos, colegas e, até mesmo, de desconhecidos. Como você vive? O que é a vida para você?
Longe do pensamento aristotélico, a vida, para mim, não é cíclica. A vida é um continuum que insiste em percorrer caminhos diferentes. Às vezes um pouco tortuosos, outras vezes um pouco escuros, sem muita luz para enxergarmos se a terra está boa para caminhar. Muitas vezes os caminhos são fáceis, como num lago congelado, deslizamos, chegamos rápido. 

A vida ganha sentido diferente para cada pessoa. Para algumas, a vida se resume em uma atividade, um hobbie, uma paixão. A vida, para essas pessoas, é limitada. Não há tanto sabor na descoberta. Há muito sabor na evolução. Mas, com o tempo, a gente começa a dar voltas em busca de nosso próprio rabo. Vivemos em um cercado e não há mais para onde crescer. Os amigos são os mesmos, as atividades são as mesmas. Bebemos com as mesmas pessoas, saímos com as mesmas pessoas, fazemos as mesmas atividades, batemos o ponto da mesma forma. Vivemos de forma automatizada. Acordamos e dormimos da mesma forma. Não mudamos. Não descobrimos. O mundo acaba sendo apenas um. Ele diminui, ele fica pequeno. Perde-se um pouco do encanto dos começos. Tudo vira meio e não se pensa em um fim.

Há quem viva várias vidas. Há quem não consiga levantar a bandeira da própria vida. Há que se envergonhe por viver do seu próprio jeito. Há pessoas que não são felizes. Há pessoas que acham que a felicidade está em copo de cerveja e, quando a cerveja acaba, a vida parece não fazer mais tanto sentido assim.

Há quem não ame. Há quem queira amar, mas não encontra a pessoa certa. Há quem sofre com medo de ficar sozinho, há quem sofre com medo de ficar junto para sempre...

"Eu sei que a vida devia ser bem melhor e será, mas isso não impede que eu repita:
 É bonita, é bonita e é bonita!" (Gonzaguinha)
Mas, há também quem ame. Há quem encontre a felicidade em outra pessoa. Há quem vê o amor como amigo, companheiro, confidente. Há quem saiba que, no fundo, duas pessoas se juntam para se divertirem juntas. E que, uma vida a dois, apesar de mais complicada, é infinitamente mais bonita!


Não há um modelo, uma regra a ser seguida para viver. O que importa é você saber que temos um prazo de validade. Que os anos vão passar e que nada é eterno. Se você quer aprender a fazer algo, aprenda agora. Você não sabe quanto tempo terá para fazer as coisas que você gostaria de fazer. Tentar é uma das partes mais maravilhosas. É o processo que faz da vida algo tão único, não somente o resultado. Aprenda algo novo, tente algo diferente, conheça pessoas novas. Por um momento eu achei que todas as pessoas que eu conhecia eram desinteressantes, até eu começar a fazer as atividades que me davam prazer. Primeiro pensei em mim, no meu bem-estar, nas minhas alegrias. Consequentemente, acabei conhecendo pessoas que viam a vida como eu vejo...E, assim, meu universo, tão meu, ficou ainda mais colorido e me vi cercada de pessoas que levam, dentro de si mesmas, uma vontade imensa de viver da melhor forma possível.

Então, o que é a vida para você? Como anda a sua vida?

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Dia de Mia [Parte 1]

Avalon Thomas Saliot
Mia acordou sonolenta às seis horas da manhã. Escovou os dentes antes de levar seu croissant insosso à boca. Ela gosta do gosto amargo das coisas ao se misturarem com o mentolado da pasta de dentes vencida. O café estava frio como o tempo que fazia lá fora, ou lá dentro de si mesma. Os olhos cansados carregavam bolsas de água e de tempo. Não é mais a mesma de cinco anos atrás. Nem de cinco meses. Permaneceu a mesma por cinco minutos. Cinco longos minutos de uma inércia atormentadora. A chuva congelou a janela de sua alma. Ela estava cega e enxergava os brancos das lacunas deixadas pelo vento que invadiu seu quarto escuro. Estava sem ar. O afago de um sorriso carimbava um quadro antigo pintado por um artista triste qualquer. Um sono leve pesava em seus ombros caídos e desnudava sua pele encharcada de suor. O frio queimava a febre na pele límpida. Era manhã, e a vida adormecia dentro dos sonhos tortos dela.