terça-feira, 3 de maio de 2011

Entre a dor e a solidão

Edgar Degas, Senhora Valpiçon e Crisântemos, 1865
Prefiro a dor à solidão.
Sou imediatista e inquieta.
Sou mulher de assuntos largos 
pontuo um final em cada sentença.
Não sou muda e gesticulo.
Procuro, entre vales o perigo.

A dor dói em muitos lugares. 
Dói bastante e incomoda.
A solidão, além de incomodar, dói!
(Acolá são gritos de dor ou de solidão?) 
O solitário não grita,chora.

A dor pode doer por dentro ou por fora,
sozinha ou não.
Para a solidão já não tenho tanta escolha. 
Sinto o incômodo sem mais alguém. 
Não há testemunhas para minha dor, 
não há médicos ou enfermeiros, 
socorristas ou curandeiros.

A solidão é ruim, mas fica para sempre.
A dor, muitas vezes é insuportável, mas vai embora.
Sempre vai embora.
Sempre.

Carolina Morais

7 comentários:

Lara Amaral disse...

A dor às vezes repete num mantra a palavra solidão.

Beijo, querida.

Carol Morais disse...

É verdade, Larinha!

Beatriz Amorim disse...

Concordo, minha querida!
Não existe maior vazio que a solidão.
Um grande beijo.

Fernand's disse...

minha solidão não dói mais, hoje a aproveito com uma ótima companhia: a minha.



=D

bjsmeus

Vinicius.C disse...

Ja fiquei tanto tempo literalmente só-que vejo a solidão um meio, uma forma de recarregar os pensamentos, solidão opcional claro.

Dor e quem vive sem ela?

Um beijo enorme Poeta!

Te espero no Alma.

disse...

Sempre??
Será???
Vou acreditar em vc e passar a tentar compreender mais a dor do que a solidão, que hj me mata aos poucos.
Sabe solidão a dois, a tres, a dez a mil??? Sozinha no mundo!!!

Beijosss

Liberdade. disse...

Olá querida!

A solidão é um veneno
Homeopático.
A solidão é capaz de
Adoecer uma alma.
Lindo post!