segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Águas turvas

The Death of Cleopatra by Reginald Arthur, 1892
Acabei com a vontade de buscar o que me difere dessa totalidade que me parece a mesma.
Busquei um caminho novo, acabei caindo em um poço de águas turvas.
Encontrei um arcabouço de infinitas ideias, mas não soube colocá-las no papel.
Ninguém as leriam.
As ideias moraram na cabeça da  poeta infante em busca de uma felicidade idealizada.
O ópio despertou o amor. O sonho desertou o conto e abriu seus olhos, mas não conseguiu enxergar o dia claro.

Carolina Morais

17 comentários:

DebyWeb( @Deborasopi ) disse...

Oláá, sou nova aqui...mas que blza de blog menina.adorei mesmo, poesia viva, pulando em verdades.
Um pouco de vc que une o meu eu de ser e lêr o que de fato é libertador.
Ameiiii esta frase.
"As ideias moraram na cabeça da poeta infante em busca de uma felicidade idealizada."
Grande bj

Lara Amaral disse...

O destino parece sempre nos surgir em metáforas.

Beijo, querida.

♪ Sil disse...

Carol, menina amadaaaaaaa!

Talvez as minhas buscas de felicidade tbm tenham sido, ou ainda são (não sei ao certo) idealizadas.
É tão complicado pra mim dizer sobre a tal felicidade.
Momentos que passam?
Momentos raros, longos, mas só momentos?
Felicidade plena...não sei se existe.

Mas tenho tido momentos lindos com ela, como ontem no aniversário do meu pai.
Foi um dia extremamente feliz pra mim, pra ele.
Isso sim conta.
(Vou te mandar o bolo rs, ficou uma deliciaaaaaaaaaaaa).

Como vão as coisas por ai?
Saudade sempre, sempre de ti!

Um abraço do tamanho desse mundão de meu Deus!!!

.:. Cep próprio .:. disse...

Na aridez do que não escrevo, é na fonte das palavras que jorram de ti que me banho, me dissolvo e me abençoo.

;********

Pérola disse...

Perfeita!!!
Eu gosto de te ler,me faz refletir vc sabia!!!
Seus texto são inteligentes e fascinantes.
Parabéns lindona.

Arnoldo Pimentel disse...

Poema lindo e profundo, parabéns por seu blog, já sou seguidor,beijos.

A Viajante disse...

A felicidade do poeta transparece na poesia concreta, como um refúgio paralelo da realidade, e quando abre-se os olhos, percebe-se o quanto é bom sonhar e viver no seu mundo idealizado!

Machado de Carlos disse...

Apenas um momento que parece eterno.
Só que esses momentos ficam gravados para sempre na memória. Idéias fantásticas. Adoro ler você!

Suzana Martins disse...

E em conotações ficaram os versos escritos na vontade do poeta.

Beijos

Vinicius.C disse...

Olá Carol!!

Que águas turvas inundem a alma do poeta cego.

Que a sensibilidade do vento seja sentida, tal qual os desejos de uma criança muda.

Que o sussurrar constante do pico mais alto, seja ouvido até, por ouvidos moucos.

Seu texto é perfeito eu adorei!!

Nos encontramos no Alma.

Vinicius.

Gabi disse...

"O sonho desertou o conto e abriu seus olhos, mas não conseguiu enxergar o dia claro."

*_______________*

Dave disse...

Há dias em que os dias são exatamente assim, por mais que tentemos ousar e pintar de diferentes, sempre há dias... E dias...

Beijo!

Versos e Tintas disse...

Que romantica! Adorei. Virei sempre visitá-la.
Bjs.

Marcelo Mayer disse...

o caminho mais fácil

Arnoldo Pimentel disse...

Tem selos de presente pra você no meu blog.

http://ventosnaprimavera.blogspot.com

Michele P. disse...

Carol

Sempre vejo um pouco de mim em seus textos..


Um abraço

♪ Sil disse...

Carol, minha flor.

Passando pra matar a saudade dos seus escritos tão lindos e deixar um beijão!!