segunda-feira, 24 de maio de 2010

Balinha

Eu sou um doce
docinho
Mas quando me irritam
eu fico assim:
azedo, azedinho.

Carolina Morais



9 comentários:

Márcio Vandré disse...

Eu admiro a ousadia de quem me aponta um dedo.
Não sabe a morte que lhe espera.
A morte da moral.
O ocaso da estrela.

=*

Nathan Matos disse...

mais uma vez,
parece mentira
a gente gostar da pessoa as vezes atrapalha no discernimento
mas nao
a poesia nao para
transforma a hora amorfa
poeminha poemao
significado no coração

bravo!

Mai disse...

A língua e os sabores o poeta e seus humores.
Adorei o poema-desabafo.
beijos, Carol.

Lara Amaral disse...

O paladar na escrita para mim está sempre presente, engraçado como diz tanto.

Beijo sabor chocolate para ti!

Sil.. disse...

Idem Idem !!

Abraço grande Carol!!

Pérola disse...

Que meigo minha linda rs.
Adorei.
Beijokas e uma linda noite

Sarah Slowaska disse...

kkkkkkk! Minha mãe me chama de docinho, mas é óbvio que é pura ironia !xD

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

hahahaha, eu tbm!

Carolina Caetano disse...

Que delícia de poema! E a Mafalda, menina! Mafalda é demais!