sexta-feira, 2 de abril de 2010

Canhões de Luz



Acordou de madrugada                               
Afastou os móveis de mansinho
Foi andando devagarinho
Sorriu na janela fria

Girou, girou, girou
Voava pelo quarto escuro
E a lua contava o tempo
E as estrelas eram canhões de luz

Os grilos proviam a música
Juntamente com uma caixinha aberta

E abertos eram seus sonhos
E o dia ninou a menina
que dançou  sozinha
guiada pela imensidão da noite 


 Carolina Morais


                                                                                                                                        

[imagem do google]

7 comentários:

Lara Amaral disse...

Lindo, menina! A música da natureza embala e cria uma dança dentro de nós.

Beijo!

Eduardo Porto disse...

O ballet é mesmo tua finte de inspiração.
Beijos, meu anjo.

Fred Matos disse...

Belo poema, Carolina.
Parabéns!
Ótimo feriado.
Beijos

Carol Morais disse...

Lara, obrigada por sua visita. Acredito que a natureza éa melhor melodia,sempre.

Carol Morais disse...

Amor, o balet não é minha fonte de espiracão, é minha fonte de vida.
Te amo. Beijocas.

Carol Morais disse...

Fred, obrigada pela visita e peo elogio.
Um grande beijo. ótimo feriado tb.

Sylvia Araujo disse...

Me fez dançar aqui dentro. Leve, doce. bonito, bonito...

Beijoca